babilopes

na babilônia

Como não engravidar

15 março 2012 by Bárbara Lopes

Estamos, mais uma vez, sentindo os reflexos da ofensiva conservadora. Agora vindos da Polícia Federal. A PF lançou a operação Pró Vita (repara bem no nome), que prendeu profissionais de saúde e pessoas envolvidas com a comercialização de remédios proibidos. Cerca de 30 mulheres foram levadas para prestar depoimento – as que colaborarem terão direito à delação premiada, reduzindo suas penas.

Quando a gente discute aborto (nos comentários do blog), é quase invariável a linha que se segue. Nós começamos falando que nenhuma mulher deveria ser obrigada a levar adiante uma gravidez não-desejada. A resposta é que, se não quisesse engravidar, a mulher deveria se prevenir. Após mencionarmos que, sim, somos a favor de ampliar o acesso a métodos contraceptivos (algo que enfrenta a oposição da Igreja Católica e outros setores conservadores), lembramos que não existe método infalível. Camisinhas estouram ou escorregam, pílulas podem não ser absorvidas corretamente pelo organismo, etc. Aí chegamos ao ponto central: a resposta a isso é “então, que não façam sexo!”.

Dificilmente esse discurso chega logo de cara, mas basta trocar algumas palavras para se revelar que o principal motivo para a interdição do aborto é regular a sexualidade da mulher.

Nos Estados Unidos, onde a onda conservadora é, se possível, ainda mais maluca, o alvo são as mulheres que usam contraceptivos e desejam que o plano de saúde corporativo cubra esse custo. Afinal, se uma mulher quer tomar pílula, deve ser porque ela quer fazer sexo, e, se quer fazer sexo, é uma vagabunda. Esses dias, comentando o caso, o humorista Stephen Colbert disse uma frase genial:

Além disso, se você não quer engravidar, só existe uma maneira garantida: seja um homem.

A gente sempre lembra que se homem engravidasse, o aborto seria legal e disponível em qualquer farmácia – como brinca o vídeo das Católicas pelo Direito de Decidir.

E já que estamos no assunto, saíram os resultados de uma pesquisa feita pela UnB com o perfil das mulheres que já fizeram aborto. A ampla maioria têm filhos, têm religião e são casadas. Estima-se que 5 milhões de mulheres já fizeram aborto no Brasil. 5 milhões. Acho que a Polícia Federal vai ter trabalho.

3 comments | Categories: Uncategorized

Comments (3)

  1. ENtão q não façam sexo! qrem regular as vezes q as mulheres transam! Cuidado, vcs tão ficando paranóicas!

  2. Há ainda grande miopia na sociedade sobre as verdadeiras razões da dificuldade de legalizar o aborto que é regular a liberdade sexual de mulheres e homens. Mulheres devem assumir a responsabilidade sobre a gravidez e se absterem, os homens não. Não tenho conhecimento de campanha que chame o homem a ter responsabilidade sobre isto e praticar a abstinência. Com toda certeza se os homens engravidassem…
    Mas tem outra maneira garantida de evitar a gravidez, é transando mulher. Eu pratico essa!
    Muito boa essa discussão!
    bjs

Leave a Reply

Required fields are marked *

*